Quantos tipos de radiação existe?

Se quer saber mais sobre os tipos de radiação veio ao lugar certo. Aqui você vai ficar por dentro de tudo o que precisa saber sobre o assunto.

Antes de qualquer coisa é importante que você saiba que existem 3 tipos de radiação: alfa, beta e gama. Os responsáveis por identifica-los foram: Becquerel, Ernest Rutherford, da Nova Zelândia e Marie e Pierre Curie, da França.

Acontece que quando se submete a emissão de radioativos naturais, por exemplo rádio ou polônio é possível ver um campo magnético ou elétrico. Ali pode-se notar uma subdivisão em 3 tipos diferentes.

Bem, existe uma emissão que irá sofrer um desvio pequeno, o qual irá para o lado da placa negativa. Esse é qualificado pela emissão alfa.

Por outro lado, tem a que sofreu um desvio maior, o qual foi para o lado da placa positiva. Esse é denominado pela emissão e radiação beta.

Mas, tem aquela que não sofre nenhum tipo de desvio, essa acaba por receber o nome de emissão gama. Pensando em tirar suas dúvidas sobre o assunto montamos esse conteúdo.

Quer saber mais sobre esse tema? Então continue lendo este artigo e descubra mais sobre as radiações.

O que é radiação?

A princípio é preciso saber o que é radiação para poder entender como se associa com a radiologia. Então, a radiação trata-se de ondas eletromagnéticas e/ou partículas que irão se propagar em uma velocidade e com uma energia alta.

Assim, quando entrar em contato com algum tipo de matéria costuma produzir efeitos sobre ela. Bem, os estudos sobre essa área começaram lá no início do século XX.

Nesse período de estudo da radioatividade, Rutherford fez uma descoberta. Foi onde ele descobriu algumas partículas as quais foram denominadas de alfa, beta e após outros estudos a existência de raios gama teve sua comprovação.

É importante pontuar que essas ondas podem ter sua origem de fontes naturais. Por exemplo, de átomos e até mesmo de aparelhos como o forno micro-ondas e o rádio.

Mas, no dia a dia existem radiações comuns, como o raio x, laser, rádio FM e AM. Depois de muitos estudos foi possível denominar as radiações descobertas.

Radiação Alfa

Essa primeira opção possui uma força de penetração muito baixa. No entanto a carga de eletricidade dela será positiva.

Além disso, ela possui 2 prótons e 2 nêutrons, os quais são semelhantes aos núcleos de átomos do hélio. A emissão deles é alta, porém costumam perder de forma rápida essa energia quando entram em contato com alguma matéria.

Por exemplo, com 1 ou 2 folhas de papel é possível deter as radiações alfa. Logo, sempre que um núcleo faz a emissão de uma partícula alfa acaba por perder 2 nêutrons e 2 prótons.

Radiação beta

Por outro lado, tem a radiação beta a qual possui força de penetração mediana. Nesse caso, alguns núcleos podem emitir elétrons comuns, enquanto outros irão ser responsáveis por emitir carga negativa.

Assim como também existem os pósitrons que são liberados com carga positiva. Os elementos beta se espalham em uma velocidade mais ou menos igual à da luz.

Alguns deles conseguem penetrar até 1cm de madeira. Então quando esse núcleo faz a emissão de elementos beta, ele também irá solta um neutrino.

Mas, o que é um neutrino? Bem, ele quase não possui massa e não conta com nenhuma carga elétrica. No caso de partículas beta negativas no núcleo um nêutron pode se transformar em um próton, enquanto um elétron vira um neutrino.

A emissão do neutrino e do elétron acontece de forma instantânea, ou seja, assim que se formam eles são liberados. Dessa forma o próton segue no núcleo.

Radiação gama

Essa é uma opção a qual não possui nenhuma carga elétrica. Nesse caso ela é muito parecida ao raio x, porém é normal que tenha um comprimento de uma onda mais curta.

Os raios gama são fótons os quais são elementos de radiação eletromagnética. Eles se espalham mais ou menos na velocidade da luz, sendo bem mais penetrantes que as opções alfa e beta.

Ela pode acontecer das mais diversas formas. Bem, a partícula alfa ou beta após sua emissão pelo núcleo não irá passar toda a energia que tem disponível. 

Após todo esse processo o núcleo possui muita energia. Para ficar em equilíbrio o núcleo se livra do extra e para isso emite raios gama.

Onde se aplica a radiação ionizante?

É possível encontrar o uso das radiações ionizantes em uma especialização médica, a radiologia. Uma vez que faz parte de raio x e outras técnicas que são bem úteis em exames de imagem.

Além disso, é possível encontrar em tomografias e até mesmo em técnicas de medicina nuclear. Onde se faz uso de radionuclídeos, que é mais ou menos uma espécie de átomo.

O uso de radiações em áreas terapêuticas também tem um grande destaque. Por exemplo: o uso dela a radioterapia que se aplica em pacientes com câncer e faz uso de raios gama.

Até mesmo na área industrial se faz uso de radiações ionizantes, funcionam como métodos para medir níveis, alterações e até espessuras físicas do local. Um exemplo é o uso da técnica de radiografia das peças metálicas, são úteis para inspecionar turbinas e asas de aviões.

O intuito é descobrir se existe algum dano no material. Também serve para detectar algum defeito na construção, ou rachaduras na solda ou nas tubulações.

Além disso pode ser bem útil para identificar danos hidráulicos, vazamentos entre outros. Bem como, pode servir para fazer a medição da espessura e pode indicar se houver falhas e/ou se possui algum desgaste em pneus e lâminas metálicas.

Conclusão

Por fim, mostramos algumas informações sobre o uso das radiações em diversas áreas. Deixamos a sua disposição os tipos de radiação que existem e como funcionam.

As radiações ionizantes estão presentes em exames de imagens. Além disso faz parte da especialização médica radiologia. 

Ao longo desse conteúdo é possível ver onde se aplica o uso das radiações ionizantes. Acontece que as ondas eletromagnéticas são bem úteis nas mais diversas áreas.

Gostou desse conteúdo? Esperamos ter ajudado em sua busca, caso tenha alguma dúvida é só deixar um comentário.

Quantos tipos de radiação existe