Item essencial para os dias frios, a escolha do edredom correto oferece conforto e sofisticação.

A escolha da roupa de cama é uma tarefa bastante gostosa. A opção certa te fornecerá conforto e saúde todas as noites na hora de dormir. A importância de se conhecer essas peças está exatamente no que ela proporciona. Além disso, vale lembrar: o sono é um fator essencial para a manutenção de nossa saúde.

Guia do edredom

Dessa maneira, a escolha de um edredom quentinho merece atenção e alguns conhecimentos básicos sobre a peça. Protagonista das roupas de cama, é um companheiro que não pode faltar no quarto de quem preza por conforto e proteção.

De origem europeia, a peça foi importante na história de países muito frios, como a Noruega, no aquecimento das famílias durante os séculos em que ainda não se havia implementado aquecedores elétricos de ambiente.

De lá para cá, porém, muita coisa mudou e as opções disponíveis no Brasil são bem adaptadas ao nosso clima que, mesmo no inverno de regiões mais frias, não chegam perto das baixíssimas temperaturas dos países do norte.

Atente-se ao tamanho do edredom


Uma dúvida bastante comum entre aqueles que estão comprando um edredom pela primeira vez é se ele é uma peça de tamanho único. Assim como todas as roupas de cama, é possível encontrar o item em diferentes tamanhos e esse é um dos principais fatores a serem observados antes de efetuar a compra do seu.

De forma geral, é possível encontrar modelos que acompanhem as medidas das camas e utilizem, inclusive, a mesma nomenclatura. Assim, edredom de solteiro, casal, queen e king são facilmente encontrados. De toda forma, não se esqueça de saber a medida exata de sua cama. Ter em mãos comprimento, largura e altura dela te ajudará a entender o tamanho de edredom que você precisa.

Uma dica extra é se atentar às dinâmicas do seu sono. Pessoas que se mexem muito na hora de dormir, por exemplo, podem investir em modelos de edredom um pouco maiores. Isso porque, devido ao seu preenchimento, essas são peças um pouco mais pesadas e, em consequência do movimento noturno, podem cair de sua cama durante a noite, te deixando descoberto.

Tipo de tecido


Existem, basicamente, dois fatores que informam o tecido do seu edredom: o material utilizado e a quantidade de fios. No que diz respeito à última, entendê-la é bem simples. A quantidade de fios diz respeito à quantos deles estão em cada área de uma polegada quadrada da superfície do edredom. Ou seja, uma peça com 600 fios será bem mais confortável que uma de 220.

Um edredom com 220 fios, aliás, é o mínimo indicado para que você experiencie, de fato, conforto e maciez do tecido da peça em sua pele. Já no que diz respeito ao material utilizado para a construção dos fios do tecido, as opções apresentam uma quantidade maior de variantes.

O algodão, por exemplo, é um dos mais utilizados. Por ser um tecido natural, seu toque agrada bastante os consumidores. Ao mesmo tempo, pelo mesmo motivo, se degrada bem mais rápido que as opções de tecidos sintéticos. A microfibra tem se mostrado uma opção bastante viável para substituir o algodão. Por seus microfios, também tem um toque agradável. Por ser um material sintético, dura bem mais que algodão.

Por fim, o linho é a opção mais cara entre as aqui citadas, sendo sinônimo de sofisticação e durabilidade. Um fator contra, entretanto, é que ele amassa facilmente.

Por fim, as opções hipoalergênicas são aquelas que passaram por tratamentos especiais para que seu tecido evite a proliferação de fungos e bactérias. Assim, são ideais para quem tem problemas respiratórios ou mesmo deseja evitá-los.

Preenchimento da peça


Vale, ainda, mencionar um fator muito importante da construção do edredom que muitas vezes é ignorado por nós: seu preenchimento. Assim como os tecidos do revestimento, o preenchimento também pode ser analisado a partir de duas variantes, sendo elas a densidade e o material.

A densidade, tal qual a quantidade de fios, informa a estrutura da peça. Nesse caso, entretanto, menos relacionada ao toque e mais associada à proteção térmica que o item vai te proporcionar. Dessa maneira, os mais densos servirão para ambientes frios e os de menor densidade para climas mais amenos.

Já quando falamos do material utilizado, existem basicamente dois: os sintéticos (poliéster ou plumas de silicone) e naturais (plumas e penas). Os naturais, além de mais caros, exigem alguns cuidados especiais na hora da lavagem, além de serem naturalmente mais propícios a provocarem alergias. Os sintéticos, por sua vez, são mais baratos, em sua maioria hipoalergênicos e exigem um pouco menos de atenção na higienização.