É preciso planejamento e pesquisa prévia sobre quais plataformas digitais são as mais indicadas para os serviços ou os produtos que você vai oferecer 

e-commerce

O comércio virtual já era uma promessa cada vez mais promissora para comerciantes e lojas de diferentes segmentos econômicos, algo que se tornou ainda mais urgente este ano. De acordo com a Câmara Brasileira do Comércio Eletrônico, entre janeiro e maio de 2020, essa modalidade apresentou alta de 137,35% em relação ao mesmo período de 2019.

Entre as alegações mais comuns daqueles que resistem à realização de compras por meio da internet, podem-se citar a desconfiança de fornecer dados bancários, o medo de sofrer fraudes, a incerteza sobre a qualidade e as descrições do produto adquirido, o prazo para frete, a maquiagem de preços e o que fazer se houver problemas com o valor cobrado na fatura do cartão utilizado para a compra.

Contudo, mesmo com tais desafios, cresce o número de pessoas interessadas em disponibilizar e fazer compras pela internet. Por isso, antes de oferecer produtos on-line, confira algumas dicas para te ajudar a se familiarizar com o e-commerce e evitar fraudes. 

Pesquise sobre tecnologias


Antes de começar a atuar no meio digital, conheça as diferentes plataformas e tecnologias virtuais disponíveis. Veja quais são as funções e se existe um público-alvo mais frequente em cada uma delas, de acordo com idade, gênero, raça, poder aquisitivo, localização e preferências.

Além de conhecer as possibilidades e as vantagens de cada uma, é importante pesquisar se compensa mais ser proprietário de uma determinada plataforma ou alugar uma que já existe.

Para escolher uma plataforma, lembre-se da importância de optar por tecnologias capazes de integrar outros sistemas, como emissão de notas fiscais e gestão de estoque. Se não houver uma única plataforma capaz de agregar as suas diferentes necessidades, avalie contratar uma empresa especializada. 

Faça um planejamento detalhado


Avalie se o segmento no qual você quer atuar realmente necessita de uma estrutura física, pois isso implica em custos consideráveis. Em seguida, pense em qual é a logística que você deseja desenvolver, qual é o mercado potencial, que tipos de produto ou serviços você vai disponibilizar, quais são os valores de investimento necessários para começar e quem são os possíveis parceiros para fomentar o seu negócio.

Outra parte fundamental que exige planejamento e pode ser esquecida é a comunicação. Os elementos visuais no site também são fundamentais para oferecer um ambiente virtual atrativo, o que exige uma boa arquitetura de navegação, além de um padrão visual de cores e tipografia, capazes de conferir uma identidade ao seu site.

Além do visual do site, das fotos, das descrições e dos valores dos produtos, quem deseja abrir um e-commerce precisa investir na produção permanente de conteúdo, investindo em banners e na criação de perfis em diferentes redes sociais para divulgar o seu negócio. Estruturada a comunicação, é essencial estabelecer estratégias de marketing digital.

Esse tipo de marketing exige saber como usar hashtags para destacar o seu conteúdo em sites de busca, saber qual é o principal público-alvo dos seus serviços ou produtos, produzir anúncios segmentados, estabelecer uma comunicação mais direta e personalizada com os clientes por meio das redes sociais, auxiliando-os a pesquisar conteúdos que estão agrupados no site. 

Organize a operação e a logística


Em seu site, é fundamental disponibilizar as informações de forma fácil e bem organizada, a fim de não fazer da busca de produtos ou de dados importantes uma tarefa desgastante aos clientes.

Além do propósito da empresa, o site deve trazer as descrições detalhadas e verídicas dos produtos, dos meios de pagamentos permitidos, dos preços, incluindo as taxas possivelmente cobradas por plataformas que realizem a transação financeira virtual, dos custos de frete e dos prazos de entrada.