Por mais que alguns ambientes realizem a terceirização de de bombeiro civil, saber como funciona os primeiros socorros sempre é importante para prestar os primeiros atendimentos em casos urgentes, principalmente quando se trata de ambiente escolar.

Desde 2018, a Lei Lucas entrou em vigor com o objetivo de determinar que profissionais que trabalhem em setor público e privado de educação básica tenham acesso e possa aplicar primeiros socorros em vítimas de pequenos acidentes, para que assim seja possível evitar e conter danos graves a vítima.

Essa atuação rápida é muito importante e pode fazer toda a diferença em casos de acidentes e garantir que alunos e qualquer outra pessoa no local tenham a minimização de danos à sua saúde.

Mas por que a Lei Lucas foi criada e como ela funciona na prática?

Para compreender melhor, neste post, falaremos mais sobre a história por trás da criação da Lei Lucas e como ela é importante para garantir uma maior segurança no ambiente escolar.

Continue a leitura para conferir!

Criação da Lei Lucas e como ela funciona

A história por trás da criação da Lei Lucas ocorreu em 2017, quando um aluno chamado Lucas Begalli teve um engasgamento durante um passeio escolar - promovida pela escola onde ele estudava.

Os profissionais da escola infelizmente não tinham treinamento de primeiros socorros, não prestando o atendimento apropriado para Lucas, que acabou sofrendo uma asfixia mecânica.

Mesmo com sua transferência para um hospital, o aluno não resistiu e faleceu. O caso causou um grande impacto e gerou comoção pública, principalmente na internet - nas redes sociais.

O caso do Lucas ganhou destaque, mas existem altos índices de mortes devido à não preparação e capacitação para proceder em situações de emergências, não somente de crianças, mas também de adultos.

Com o caso do aluno sendo amplamente comentado, a Lei Lucas foi criada - utilizando o nome do aluno como forma de prestar uma homenagem.

A lei determina que as escolas devem oferecer a capacitação adequada para seus funcionários e prevê punições que vão desde notificações, multas e até cassação do alvará para as instituições caso elas não cumpram as regras.

O curso deve ser feito anualmente e não deve ter nenhum custo para os profissionais. Já em relação ao número de funcionários que devem ser capacitados, vai variar de acordo com a quantidade de colaboradores ou com o fluxo de crianças e adolescentes que frequentam a instituição.

As instituições de ensino também precisam disponibilizar kits de primeiros socorros.

Dicas para evitar acidentes no ambiente escolar

Aplicar e receber uma capacitação para primeiros atendimentos é fundamental em ambiente escolar, mas também é importante tomar algumas ações para evitar possíveis acidentes.

Aqui estão algumas dicas importantes para instituições de educação.

1. Certifique-se de que o local é seguro

Isso pode ser feito seguindo cronogramas de manutenção e mantendo o controle de quaisquer possíveis problemas com o próprio prédio da escola. Mesmo questões que são menores, como uma janela danificada, podem ser perigosas para alunos e funcionários, além de levantar questões de responsabilidade potencial.

A capacitação de segurança adequada pode ajudar a minimizar essa questão, pois os funcionários da escola poderão identificar e lidar com problemas antes que se transformem em ameaças.

Além disso, tenha certeza de que possui uma equipe de manutenção ou contratados terceirizados certos para lidar com problemas - como falha elétrica, vazamento de água, carpete danificado, etc, - para que as chances do problema ocorra novamente seja minimizada.

2. Faça orientações diariamente

Orientações de segurança devem ser passadas diariamente e é necessário que exista uma comunicação clara espalhada pela escola - como em quadros de avisos, por exemplo.

Dessa forma, os alunos acabam não ignorando as orientações, como:

     Sempre amarrar os cadarços dos tênis para evitar tropeços;
     Não correr nas escadas e corredores;
     Utilizar calçados apropriados para a prática de atividades físicas.

Essas são apenas algumas medidas de segurança que são muito importantes em escolas e que podem evitar acidentes. No entanto, pense que você está lidando com crianças, portanto, encontre formas criativas de passar essas e outras orientações.

3. Faça a adaptação de espaços

É fundamental que escolas tenham espaços adaptados, para que eles ofereçam segurança para todos.

Alguns locais que precisam ser adaptados são:

     Corrimão: é extremamente importante que todas as escadas tenham corrimões que devem ser frequentemente verificados com o objetivo de mantê-los em perfeito estado.

     Vidros: esse é um grande perigo para ambiente escolar, portanto, o ideal é que os funcionários sejam capacitados para conferir os vidros de portas e janelas.

     Afiação: a parte de afiação deve estar impecável, ou seja, aparelhos e tomadas devem estar muito bem instalados e de forma alguma devem apresentar perigo, como a exposição de fios.


Agora que você já conhece a Lei Lucas, sabe como ela funciona e qual é sua importância, esperamos que tenha gostado das nossas dicas para tornar o ambiente escolar mais seguro!